class-header-multimedia
Documentário - "Why Beauty Matters" - Roger Scruton discute visão modernista sobre a arte
class-header-3d
Crime e Castigo - obra de Fiódor Dostoiévski, adaptada pela BBC para a televisão
class-header-performance
Em Israel, simpatizantes do ISIS são acusados de planejar atentado contra o Monte do Templo

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Conselheiro da liderança palestina defende violência doméstica contra "mulheres que merecem"

Mahmoud Al-Habbash, conselheiro da alta cúpula da liderança palestina, afirmou que é lícito praticar "violência doméstica contra mulheres que merecem" em transmissão de rede de televisão oficial da Autoridade Nacional Palestina. A declaração misógina teria sido feita durante uma tentativa de campanha contra a violência contra as mulheres promovida no território palestino - o líder fundamentalista sugeriu que atos de violência doméstica seriam legítimos contra "desobedientes". A informação sobre a declaração polêmica de Habbash foi publicada originalmente pelos veículos de comunicação Palestinian Media Watch (que denuncia campanhas misóginas e antissemitas promovidas pela Autoridade Palestina) e World Net Daily ontem.

O portal norte-americano World Net Daily informa que, na opinião de Habbash, a religião maometana permite "certos tipos de espancamentos", que deveriam, de acordo com a reportagem, ser aplicados em caso de desobediência. O conselheiro da liderança palestina ainda afirmou que a violência doméstica seria "boa para a sociedade, boa para a mulher e boa para o homem". O comentário do integrante da cúpula extremista contrariou, de acordo com o artigo, o espírito da campanha realizada pela comunicação da televisão palestina, que teve início no último dia internacional da mulher, 25 de novembro.

A denúncia publicada no World Net Daily destaca que "enquanto a campanha tentava argumentar que a violência doméstica nunca é aceitável, o conselheiro da Autoridade Palestina sugeriu que os espancamentos podem ser, em algumas situações, permitidos, e que isso seria até mesmo bom para as mulheres". 

Denúncia em vídeo - veículo de comunicação Palestinian Media Watch publica trechos disponibilizados por veículos oficiais da Autoridade Nacional Palestina que fazem apologia da violência contra as mulheres:



segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Eduardo Bolsonaro afirma que novo governo irá combater todas as vertentes do marxismo e reduzirá a atuação econômica do Estado

Em vídeo publicado hoje no canal Senso Incomum do Youtube, o policial federal e deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, afirmou que o novo governo irá combater a ideologia marxista, a ideologia de gênero e reduzirá a atuação econômica do Estado. Eduardo afirmou que a nova administração entende que o Estado deve "atuar o mínimo possível na ideolgia" e combater a ideologia que inspirou os regimes "de Cuba, da Coréia do Norte e da Venezuela", que, na opinião do líder conservador, são "modelos fracassados".

Na entrevista a Flavio Morgenstern, Eduardo Bolsonaro afirma a concepção de Estado para o novo governo "não é tentar deixar toda a população 'igual', tal como em Cuba. O objetivo do Estado deve ser criar condições para que a sociedade seja próspera, através do seu trabalho [através de liberdade para a atuação econômica da sociedade]".

A respeito das relações com os Estados Unidos, o líder conservador destacou que o Brasil "voltará a ter um grande parceiro comercial [através de boas relações com a maior potência econômica do Ocidente]. Uma grande reclamação que ouvimos de empresários americanos foi contra a postura 'anti-americana' do último governo. Disseram que o Brasil se tornou um país 'invisível' [nos governos do Partido dos Trabalhadores]. Eles afirmam que nós 'não colocamos representantes entre o empresariado ou de indústrias que tenham interesses no Brasil, para atrair investimentos'. De fato, nós tínhamos políticas anti-americanas".

Sobre o tema da América Latina e relações com países vizinhos, Eduardo Bolsonaro comentou a crise humanitária causada pelo regime socialista da Venezuela - segundo ele, em viagem à fronteira com o regime marxista, o parlamentar pode ver a situação de fome dos refugiados Essas pessoas, de acordo com Eduardo, "perderam 15, 20 quilos [na fome venezuelana], viram que iriam morrer, e fugiram do país. É melhor ser um mendigo em qualquer cidade brasileira do que viver na capital da Venezuela [como consequência da grave situação de fome e violência política estabelecida pelo regime socialista]. Precisamos criar condições para que a Venezuela volte a ser o país próspero que era nos anos 90". Eduardo Bolsonaro qualificou o regime socialista como uma "narcoditadura", que contaria com o apoio das FARC - guerrilha comunista colombiana que fez parte do Foro de São Paulo, ao lado do Partido dos Trabalhadores.

Veja na íntegra - entrevista de Eduardo Bolsonaro sobre retomada de boas relações comerciais com os Estados Unidos e outros temas:



segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Felipe Moura Brasil - "Bolsonaro venceu porque defende os valores da maioria da população"

Em vídeo publicado no canal oficial da Rádio Jovem Pan no Youtube, no último dia 28, o jornalista Felipe Moura Brasil comentou os fatores que levaram à vitória de Jair Bolsonaro e ao colapso do Partido dos Trabalhadores. O autor argumenta que os principais elementos que decidiram a vitória de Bolsonaro foram a corrupção sob a administração petista, a atuação da Operação Lava Jato e o posicionamento claramente conservador do capitão de artilharia.

Felipe Moura Brasil afirma que a corrupção foi consequência natural do sucesso da ideologia gramscista e do crescimento da intervenção estatal na economia, sob o governo do Partido dos Trabalhadores. O jornalista indica que a atuação da Lava Jato, precisamente nos momentos de maior fraqueza do movimento socialista, teve papel crucial no colapso da esquerda brasileira. Ele também afirma que o autor que melhor diagnosticou a correlação entre a hegemonia esquerdista, a expansão do Estado foi o filósofo Olavo de Carvalho - considerado um dos grandes catalisadores das mudanças culturais e políticas em curso no Brasil.

O jornalista declara que o posicionamento claramente conservador de Jair Bolsonaro garantiu sua vitória sobre a esquerda - já severamente atingida pelos escândalos de corrupção e pela detenção de alguns de seus maiores líderes, presos por envolvimento nos maiores escândalos de desvio de verbas públicas da História do país. Jair Bolsonaro, segundo o autor, expressa os verdadeiros anseios e crenças da população, alienada da política durante duas décadas de administração por socialistas.

Veja na íntegra - Felipe Moura Brasil comenta o colapso da esquerda brasileira e a vitória de Jair Bolsonaro:




quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Eduardo Bolsonaro - "Brasil vai se afastar da ideologia socialista"

Em entrevista para o canal de notícias norte-americano Fox Business, Eduardo Bolsonaro - policial federal, deputado e filho do presidente eleito Jair Bolsonaro - afirmou que o Brasil, a partir de janeiro, irá se afastar da ideologia socialista e de parcerias com Estados latino-americanos que adotem o comunismo ou o socialismo como práticas oficiais. Eduardo Bolsonaro destacou que o Brasil irá conduzir políticas de privatização e reforma tributária, com o intuito de liberalizar a economia nacional. A entrevista foi disponibilizada com legendas em português pelo canal Embaixada da Resistência no Youtube, no último dia primeiro.

Eduardo Bolsonaro destaca: "nós vamos ter, como ministro da economia, o senhor Paulo Guedes. Ele é graduado na Universidade de Chicago [instituição americana de estudos em Economia com ênfase em políticas liberais] e irá conduzir uma série de privatizações. Também serão realizadas reformas no sistema previdenciário e no sistema tributário. Os detalhes dessas reformas serão repassados por sua equipe aos investidores. Mas, enfim, nós realmente temos a intenção de conduzir essas reformas, porque o Brasil está mudando".

O parlamentar destaca que o país está saindo de um modelo político-econômico estatista, com admiração pelo "socialismo, para um modelo muito mais liberal. Eu vim aos Estados Unidos para dar os primeiros passos na recuperação de nossa credibilidade e para passar uma forte mensagem de que o Brasil não será um país [de viés econômico] socialista. Nós estamos realmente empolgados com a possibilidade de uma aproximação com os Estados Unidos".

Veja na íntegra - Eduardo Bolsonaro comenta nova política econômica brasileira e futura aproximação com os Estados Unidos:




quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Tucker Carlson afirma que atuais políticos democratas já defenderam barreiras na fronteira

Conforme vídeo publicado no canal PragerU, no Youtube, no último dia 4, diversos integrantes do Partido Democrata já defenderam a construção de barreiras tais como cercas na fronteira entre os Estados Unidos e o México - a mudança no posicionamento do partido se dá, na opinião do jornalista Tucker Carlson, porque a agremiação pretende conseguir os votos dos imigrantes ilegais e assegurar uma maioria eleitoral permanente. Tucker Carlson afirma que entre os políticos democratas ou críticos de Donald Trump que mudaram de opinião estão Hillary Clinton, Barack Obama e Chuck Schumer.

De acordo com Tucker Carlson, "Hillary Clinton já votou pela construção de uma cerca na fronteira com o México. Barack Obama também votou assim, bem como Chuck Schumer e mais 23 integrantes do Partido Democrata. A imigração ilegal tende a prejudicar os salários dos trabalhadores americanos, que são forçados a competir com uma grande quantidade de pessoas que entram ilegalmente nos Estados Unidos - esse fato não mudou, a lei de oferta e demanda não mudou, mas alguma coisa fez esses políticos mudarem de opinião".

Tucker Carlson afirma que os políticos de esquerda dos Estados Unidos pretendem se aproveitar de uma mudança populacional favorecida pela imigração ilegal - haveria uma quantidade gigantesca de pessoas vivendo de forma irregular no país. O Partido Democrata, de acordo com o jornalista, tem o objetivo de garantir a todos os indivíduos que imigraram ilegalmente o direito ao voto (que irá, de forma natural, para as lideranças políticas que favoreceram a permanência irregular no território americano). Carlson afirma: "há atualmente 22 milhões de imigrantes ilegais vivendo nos Estados Unidos. O Partido Democrata pretende dar a todos os ilegais a cidadania americana".

O comentarista acrescenta: "o plano de conceder a cidadania [que dá direito ao voto] aos ilegais está na plataforma de campanha de 2016 do partido. Estudos populacionais indicam que a vasta maioria dos indivíduos de primeira geração de famílias de imigrantes votam no Partido Democrata". Carlson argumenta que a presente diferença entre a esquerda e a direita nos EUA poderia ser facilmente explorada no projeto de garantia do voto aos ilegais, em uma estratégia que asseguraria a vitória dos democratas por muitos anos.

Veja na íntegra - Tucker Carlson comenta mudança no posicionamento político do Partido Democrata:




Eduardo Bolsonaro - "novo governo vai acabar com prática socialista de aumentar impostos e criar estatais"

Em vídeo disponibilizado em seu canal oficial no Youtube ontem, dia 5, o deputado federal Eduardo Bolsonaro - filho do presidente eleito, Jair Bolsonaro - afirmou que o novo governo brasileiro irá acabar com práticas socialistas como a criação de novas estatais e irá reduzir as esferas de atuação do Estado, com o intuito de aumentar a eficiência econômica do país. Eduardo afirma que o Brasil também cortará os recursos enviados para governos socialistas da América Latina, como os da Bolívia, Venezuela e Cuba.

Eduardo comentou, como exemplos de má-utilização do estado brasileiro, a criação de estatais durante as administrações petistas e o financiamento de obras em países vizinhos, como o porto de Mariel, em Cuba, e o metrô de Caracas. O parlamentar afirma: "o Brasil ajudava todos os países socialistas vizinhos - os chamados 'países bolivarianos', do Foro de São Paulo. Ajudamos a Bolívia, ajudamos Cuba, Venezuela, através da construção de portos, através da construção de metrôs, ou mesmo permitindo que outros países se apossassem de nossos ativos. Isso nós vamos mudar. Esse recado é claro".

Eduardo Bolsonaro também criticou a prática socialista de expansão do escopo das atividades do Estado, sob o custo de ampliar a carga tributária. O deputado e policial federal afirmou que não é admissível que a população tenha de sustentar, com parte expressiva de sua renda, a atividade governamental. O filho de Jair Bolsonaro afirma que as mudanças que serão trazidas pelo novo governo passam por notória "redução do Estado".

O deputado federal Eduardo Bolsonaro é conhecido por seu posicionamento político conservador, e pela defesa que faz de políticas econômicas liberais. Eduardo Bolsonaro é um admirador da obra do filósofo e jornalista Olavo de Carvalho, e possui pós-graduação em Economia pelo Instituto Von Mises.

Mais sobre o tema - Eduardo Bolsonaro comenta diretrizes econômicas do novo governo do Brasil:




segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Eduardo Bolsonaro - "vamos aplicar o revalida e descobrir quantos dos 'médicos cubanos' são militares infiltrados"

Em trecho de discurso publicado em seu canal oficial no Youtube no último dia 20, Eduardo Bolsonaro declarou que o regime comunista cubano "não tem qualquer preocupação com a saúde dos brasileiros" e que, assim que ocorrer a posse de Jair Bolsonaro, será iniciada uma campanha para exigir o exame "revalida" dos profissionais de saúde - avaliação aplicada a qualquer médico formado no exterior que deseje exercer a profissão no Brasil. O policial federal e deputado argumenta que pode ter ocorrido infiltração de militares cubanos entre as equipes enviadas pelo país caribenho para atuação no programa "Mais Médicos".

O discurso foi realizado após as declarações do governo cubano de que o regime comunista encerraria sua participação no "Mais Médicos" antes da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro. O capitão das forças armadas afirmou que melhores condições de trabalho e remuneração deveriam ser garantidas aos médicos, uma vez que o regime cubano se apropria, atualmente, de mais de 70% dos salários destinados aos profissionais. Jair Bolsonaro também enfatizou a necessidade de realização do exame "revalida" para todos os ingressos na iniciativa - a prova é cobrada mesmo de brasileiros que recebem sua formação em medicina no exterior.

Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito, declara: "nós vamos aplicar o revalida e vamos verificar quantos desses médicos não são militares cubanos infiltrados aqui. Esses que estão saindo primeiro [com a ordem de retirada promovida pelo governo cubano] não têm nada de 'médicos'. É uma injustiça que se faz com os brasileiros formados no exterior [que são obrigados a realizar o 'revalida' antes do exercício da profissão]". 

Os profissionais cubanos que atuam no programa "Mais Médicos", além de não sofrerem a exigência do revalida, também não estão submetidos aos conselhos de medicina do Brasil. Houve críticas ao programa "Mais Médicos" por parte das organizações de representação profissional, mas o governo Dilma, que instituiu a parceria com Cuba, decidiu por manter as isenções excepcionais.

Veja na íntegra - Eduardo Bolsonaro afirma que haverá exigência do "revalida" no programa "Mais Médicos" e que pode ter ocorrido "infiltração de militares cubanos":